Sob pressão: conheça os tratamentos contra a hipertensão

Uma pesquisa americana mostrou que tratamentos mais intensivos contra a hipertensão diminuem o número de infartos e derrames em até 33%. O que muda em relação às medidas adotadas hoje?

Delboni_blog_hipertensão

A verificação da pressão arterial é um procedimento corriqueiro. É, inclusive, um dos primeiros feitos na triagem de prontos-socorros e em consultas médicas. Quando o indicador passa dos 12 por 8 – hoje considerado normal, dependendo da idade e do histórico do paciente – é sinal de pré-hipertensão ou hipertensão.

É importante ficar atento ou até, em alguns casos, baixar esse padrão, segundo um estudo recém-divulgado pelo Instituto Nacional de Saúde dos Estados Unidos (NIH). Resultados preliminares da pesquisa revelam que reduzir a pressão arterial sistólica a patamares iguais ou inferiores a 120 mmHg – ou 12, como se diz popularmente – diminui em quase um terço os infartos e AVCs e em um quarto o risco de morte de indivíduos acima dos 50 anos. Após a divulgação oficial dos resultados, é provável que pessoas com esse perfil, que mantinham a pressão em patamares próximos a 14 por 9, tenham de alterar a dose de medicamentos e incluir uma nova droga ou terapias complementares para alcançar os 12 por 8 – sempre de acordo com a avaliação médica prévia.

O primeiro passo para o combate da hipertensão é o diagnóstico correto. E para controlá-la, é necessária uma mudança do estilo de vida. Mesmo tendo relação com causas genéticas, a alimentação desequilibrada, estresse, sedentarismo e tabagismo agravam a hipertensão. Esse problema silencioso se tornou, inclusive, o principal fator de risco no mundo: em 2015, segundo a OMS, 9,4 milhões de pessoas morreram em decorrência da hipertensão.

Com a chegada de remédios mais modernos, que reúnem duas ou mais substâncias em um único comprimido, a adesão ao tratamento já é mais fácil. Novas estratégias também são testadas para intensificar o controle da condição em quadros mais graves e refratários às terapias existentes, que envolvem a colocação de aparelhos sob a pele ou via cateter para estimular o próprio corpo a equilibrar a tensão nos vasos.

Quer saber mais sobre os cuidados com a hipertensão ou sobre o estudo realizado pelo NIH?  Confira a matéria completa aqui: http://pt.calameo.com/read/00166344122dec876eb3a

Haja coração

O Brasil recebe o maior evento de jogos do mundo e emoção não vai faltar. Vamos torcer, gritas e nos divertir. Mas nem tudo é festa. Entenda porquê é importante ficar de olho na saúde durante os jogos.

blog_700x240_olimpiadas

Nem todo brasileiro é fanático por futebol, mas é difícil encontrar alguém indiferente a um jogo disputado nos pênaltis. Ainda mais disputando medalha olímpica. E a importância que damos ao jogo tem uma série de consequências sobre o nosso corpo e a nossa mente. Ficamos animados e esperançosos, suamos frio e o coração bate mais rápido. Tudo isso é efeito dos hormônios que caem na nossa corrente sanguínea quando vivemos fortes emoções. O problema é que esses mesmos hormônios também podem ser prejudiciais. Aí, o excesso de emoção pode voltar contra você.

A consciência de que grandes eventos esportivos podem desencadear problemas de saúde é recente, Um estudo feito na Copa do Mundo de 2006 pela Universidade de Munique, na Alemanha, mostrou que a incidência de emergências cardíacas, como infartos, nos dias em que o time alemão entrava em campo era mais que duas vezes maior do que antes dos jogos! E mais: os ataques do coração não estavam relacionados às derrotas ou vitórias da seleção, mas sim à dramaticidade dos jogos. Um dos dias com maior número de infartos foi quando a Alemanha venceu a Argentina nos pênaltis, em 2006, após uma partida emocionante. Mas se o jogo é para divertir, por que isso acontece?

O corpo entende um jogo difícil como situação de perigo. A adrenalina estimula dois tipos de receptores, chamados alfa e beta. Os primeiros estão nos vasos e provocam aumento de pressão. Já os segundos estão no coração, aumentando os batimentos e o consumo de oxigênio. A pressão e a frequência cardíaca sobem para levar mais sangue aos músculos e permite uma reação rápida do corpo. Por isso suamos mesmo fora do campo, isso aumenta a temperatura do corpo, ativa o metabolismo  e faz a pessoa suar.

A adrenalina é um hormônio liberado no sangue pela glândula suprarrenal em situações de estresse. Em uma pessoa saudável, significa apenas que o coração vai bater mais rápido. Mas em um cardiopatia, as consequências podem ser mais graves. Assim como torcedores, os jogadores também correm riscos de saúde. No entanto, os jogadores recebem treinamento físico e psicológico para suportar a tensão. Como o futebol é paixão nacional, as mulheres também precisam ficar de olhos abertos quando o assunto é a saúde cardíaca. Vamos torcer e tentar controlar a ansiedade para o fim do jogo. Confira a matéria completa na página 21 da nossa revista digital: Revista Delboni

Sucos naturais são uma boa pedida para incrementar a dieta

Saborosos e nutritivos, eles são aliados poderosos de uma alimentação saudável. E o melhor: são muito simples de preparar.

Delboni_blog_sucos

spinafre é rico em cálcio, suco de laranja tem vitamina C e água de coco hidrata o corpo – com certeza você já ouviu essas dicas antes. Afinal, esses e vários outros alimentos repletos de nutrientes são recomendados para quem quer fortalecer a saúde e se alimentar melhor. Mas nem sempre é fácil inseri-los na rotina, principalmente por falta de tempo ou costume.

Uma maneira prática de turbinar o cardápio com frutas, legumes, verduras e grãos é através dos sucos naturais. Com receitas criativas e saborosas, eles permitem uma infinidade de combinações capazes de favorecer o funcionamento do organismo, e ainda podem ajudar a combater o inchaço, aliviar o estresse e regular a atividade do intestino, além de muitos outros benefícios. E não é preciso muito: um copo por dia pode fazer toda a diferença para sua saúde.

É importante ressaltar que os sucos, sozinhos, não têm o efeito desejado. É essencial que eles estejam associados a um cardápio bem elaborado e sejam parte do dia-a-dia, ao invés de substituir as refeições. Na hora do preparo, invista em folhas escuras, ricas em propriedades antioxidantes, e a beterraba, que é uma fonte de nitrito, substância que ajuda o organismo a ter uma boa circulação sanguínea.

As opções são várias, mas seja qual for sua escolha, o que vale é preparar os sucos em casa, com ingredientes sempre frescos. Produtos de caixinha costumam carregar muito açúcar e conservantes, que definitivamente não fazem bem para a saúde.

Confira seis deliciosas receitas de sucos naturais e a matéria completa aqui: http://pt.calameo.com/read/00166344122dec876eb3a

 

Cuidados no terceiro trimestre de gestação

O tão esperado momento está batendo à porta. Veja tudo o que acontece na fase final da gravidez e quais são os preparativos para a chegada do bebê.

Delboni_blog_700x240

O terceiro trimestre corresponde ao período entre a 28ª e a 40ª semana de gestação. Devido às expectativas em relação ao parto e à curiosidade para finalmente conhecer o filho, essa época é caracterizada pela ansiedade para a maioria das gestantes. A seguir, confira como se preparar para os momentos finais da gravidez.

Primeiro, é importante prestar atenção em seu condicionamento físico. Em razão do aumento do volume de sangue no organismo, seu coração está trabalhando cerca de 50% mais do que o normal, o que tende a deixá-la mais cansada e com falta de ar.

No último trimestre, o bebê ganha peso rapidamente, cerca de 20 a 30 gramas ao dia. Ele já se parece bastante com o que será quando nascer: tem unhas, cabelo e órgãos maduros. A quantidade de líquido amniótico vai diminuindo ao passo que o bebê ocupa todo o espaço que resta. Os movimentos fetais são reduzidos pela mesma razão, a partir da 38ª semana.

O número de consultas ao obstetra deve aumentar ao fim da gestação, recomendando-se uma a cada 15 dias após a 34ª semana. O acompanhamento é fundamental para avaliar o bem-estar da futura mãe e do bebê, além de verificar a dilatação do colo uterino.

Uma dica importante é deixar as malas prontas com antecedência para a ida à maternidade. As contrações são comuns no terceiro trimestre com intensidade e a duração curtas, tanto que muitas gestantes não as percebem. No início do trabalho de parto, porém, elas são mais fortes e lembram uma cólica menstrual, vindo das costas em direção ao ventre. A duração dessas contrações é de até 50 segundos, sendo que o intervalo entre uma e outra vai diminuindo até a hora do parto.

A rotina de exames pré-natais continua na etapa final da gravidez. Os principais são: teste de intolerância à glicose (avalia o risco de diabetes gestacional), exame para infecção de estreptococos do grupo B (detecta a presença de bactérias que causam pneumonia e outras infecções no recém-nascido), ultrassom obstétrico (observa o crescimento do bebê, a quantidade de líquido amniótico e a placenta) e o exame de urina (verifica a presença de proteína com o intuito de auxiliar no diagnóstico de pré-eclâmpsia e infecções).

Quer saber mais detalhes sobre como se preparar para esse momento tão especial? Confira a matéria completa aqui: http://pt.calameo.com/read/00166344122dec876eb3a

Conheça os testes rápidos Delboni

Você não precisa mais esperar para fazer seus exames de rotina. Toda a qualidade do Delboni, agora com muito mais praticidade.

Delboni_blog_700x240

Já pensou em realizar exames mais simples em minutos? Os testes rápidos agilizam o atendimento aos pacientes com a mesma segurança e qualidade dos métodos tradicionais de coleta e análise. Assim, cuidar da saúde fica muito mais cômodo.

Com essa inovadora e pioneira tecnologia mundialmente conhecida, a coleta é mais prática, com a maior parte dos exames feita somente com uma gota de sangue da ponta do dedo do paciente. Utilizando equipamentos portáteis, o processamento dos exames é mais rápido do que o convencional, e os resultados ficam prontos em poucos minutos. Outro benefício dos testes rápidos é agilizar o diagnóstico do médico, principalmente quando há urgência em receitar remédios, agendar cirurgias ou iniciar tratamentos.

Os testes rápidos disponíveis são: BHCG – Gravidez, Dengue, EAS – Urina, Glicose, Influenza A, Hemograma, HIV, INR – Coagulação, Perfil Lipídico Completo – Colesterol, Rotavírus – Infecção, Strep A – Streptococcus e Vírus Sincicial Respiratório (RSV).

É importante ressaltar que esta tecnologia não tem cobertura pelos convênios, apenas para exames particulares, e está disponível apenas na unidade Delboni Jardim Sul.

Entre em contato com a nosso Atendimento ao Cliente para saber mais: (11) 3049-6999 ou acesse nosso site: http://www.delboniauriemo.com.br/paginas/clientes/testes-rapidos-delboni

 

 

HIV: entenda a importância do diagnóstico precoce

O médico infectologista do Delboni, Dr. Alberto Chebabo, fala sobre o diagnóstico, sintomas e tratamento da AIDS.

Delboni_Blog_HIV

Desde sua descoberta na década de 80, a AIDS (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida) é uma das doenças crônicas mais temidas. Afinal, naquela época, o vírus condenava o paciente à morte. Hoje, porém, a doença já pode ser controlada.

O Dr. Alberto Chebabo, infectologista do Delboni, explica: “Hoje, só morre de AIDS quem descobre tarde demais ou não acompanha a doença adequadamente. Quem faz o diagnóstico precoce e utiliza as medicações adequadamente tem grande chance de sobrevida, semelhante à das pessoas não infectadas”. Para isso, é necessário desmistificar o HIV e incentivar a realização do exame de sorologia para diagnosticar a doença rapidamente. O Dia Mundial de Luta contra a AIDS, no dia 1 de dezembro, é uma das diversas iniciativas com esse objetivo.

O HIV acomete o sistema imunológico, que é responsável por defender o organismo de doenças. Por conta disso, o portador do vírus fica impossibilitado de se proteger contra infecções. Os sintomas iniciais podem ser confundidos com mal-estar corriqueiro, incluindo febre constante, calafrios, dores de cabeça, dores de garganta, dores musculares e aumento de gânglios no pescoço, cerca de duas a quatro semanas depois do vírus ser contraído. Há casos, ainda, em que nenhum sintoma se manifesta.

“O diagnóstico da doença é realizado por um exame de sangue, chamado de sorologia para HIV. Se ele der positivo, na amostra de sangue é processado um segundo exame por outra técnica diferente da inicial, que é o confirmatório. O ideal é que o paciente seja submetido a este teste de a partir de 30 dias após o contato de risco”, recomenda o Dr. Chebabo. Os casais que planejam casamento ou gravidez também devem ter o procedimento incluso no check-up de rotina.

O vírus é transmitido principalmente através de relações sexuais, configurando a AIDS como uma Doença Sexualmente Transmissível (DST). A transmissão também pode acontecer a partir do compartilhamento de agulhas contaminadas e de mãe para filho durante a gestação, o parto e a amamentação. A AIDS ainda não tem cura, mas atualmente o portador do vírus HIV pode conviver com a doença por longos anos, tomando medicamentos antirretrovirais combinados, popularmente conhecidos como coquetéis.

Mesmo assim, a melhor forma de combate à AIDS é a prevenção, utilizando sempre preservativos ao manter relações sexuais e não compartilhar agulhas.

Hepatite: sintomas silenciosos podem ter sérias consequências.

Os três tipos mais comuns de Hepatite são causados pelos vírus A, B e C. Conheça melhor a doença que hoje atinge mais de 170 milhões de brasileiros e saiba como se prevenir.

ImagemBlog_Hepatite

Os três tipos mais comuns de Hepatite são causados pelos vírus A, B e C. Conheça melhor a doença que hoje atinge mais de 170 milhões de brasileiros e saiba como se prevenir.

A Hepatite é uma inflamação aguda no fígado que pode evoluir e se tornar crônica, causando complicações como cirrose ou câncer de fígado. A doença tem origem viral (hepatite A, B, C, D e E), tóxica, medicamentosa, alcoólica, bacteriana ou parasitária. Neste post, falamos sobre os três tipos mais comuns de Hepatite – A, B e C – e como evitar o contágio.

Hepatite A

Esse tipo de Hepatite é transmissível por alimentos mal lavados e água contaminada, e contraída através de infecções fecais ou orais. Os sintomas típicos são: náusea, vômito, mal-estar, febre, perda de apetite, fezes mais claras e um amarelão no corpo e nos olhos. Existe vacina contra o vírus da Hepatite A, mas também é possível evitá-la é utilizando saneamento básico e água tratada, cozinhando bem os alimentos e lavando sempre as mãos antes das refeições.

Hepatite B

É transmissível pelo sangue através de transfusões de sangue, uso de material cirúrgico não esterilizado, sexualmente ou verticalmente (de mãe para o filho durante a gestação ou parto). Alguns estudos estimam que 15% da população brasileira já foi contaminada pela doença. Os sintomas incluem dor abdominal, urina escura, febre, dor nas articulações, perda de apetite, náusea e vômitos, fadiga e pele amarelada. Eles surgem entre dois a quatro meses após o contato com o vírus, e sua intensidade pode variar. Para se prevenir adequadamente, crianças e adultos precisam se vacinar. No dia-a-dia, usar preservativo e evitar usar objetos pessoais de outros (como lâminas de barbear ou escovas de dente) são as maneiras mais recomendadas para ficar longe da Hepatite B.

Hepatite C

É transmitida através do contato com sangue contaminado. Outras formas de contágio, como sexual e vertical ainda não estão comprovadas, mas não podem ser totalmente descartadas. Os sintomas são bem parecidos com os da Hepatite B: urina escura, dor abdominal, urina escura, fraqueza e febre. Pode ocorrer sangramento no esôfago ou no estômago. O tratamento desse tipo de Hepatite é bem mais difícil, e em alguns casos, pode ser necessário um transplante de fígado. Apesar de não existir vacina para a Hepatite C, há outras formas de prevenção, como garantir adistribuição de material biológico não infectado (em doações de sangue, órgãos ou tecidos), abstinência do uso de álcool e a não exposição a outras substâncias tóxicas ao fígado. Ao fazer piercings e tatuagens, procurar um local limpo e um profissional de confiança também é um bom método preventivo.

É importante lembrar que os sintomas da Hepatite podem demorar meses a se manifestar. Por isso, não se esqueça de manter seus exames e vacinas em dia antes mesmo de qualquer suspeita.