Arquivo para categoria: Ser

5 passos para ser mais saudável

Saiba como se mexer mais, dormir bem, comer melhor, não levar trabalho para casa e respirar fundo podem melhorar a saúde e o bem-estar.

delboni_blog

Toda vez que um objetivo precisa de esforço para ser alcançado, nós nos dividimos em duas partes. “Uma quer muito aquilo e a outra esperneia para se manter no conforto do hábito antigo”, diz o presidente da Sociedade Brasileira de Programação Neurolinguística (PNL), Gilberto Cury. É por isso que mudar é difícil e as listas de resolução de Ano-Novo às vezes viram piada.

Mas não precisa ser assim. Nas próximas páginas, você verá 5 hábitos que melhoram a saúde e o bem-estar, deixando o dia a dia mais fácil e gostoso. Cada tópico traz argumentos para motivar você a sair da zona de conforto. Nem se preocupe em fazer tudo. Como muitos dos casos mostrados aqui, às vezes basta adotar uma mudança que as outras vêm como consequência!

 

1 .

Sair do sedentarismo

O exercício físico tem um efeito interessante: “Como ele sobrecarrega o corpo, faz com que a pessoa perceba se algo está errado e consiga rastrear uma doença logo no começo”, explica o nosso médico do Esporte, Dr. Luis Augusto Riani Costa. Segundo ele, “só no coração acontecem centenas de alterações, como a dilatação e a ramificação das artérias, que previnem o surgimento de doenças cardíacas”. Além disso, a prática diminui a glicose, a gordura abdominal e o colesterol.

Para começar, Dr. Riani recomenda treinar com intensidade moderada por, ao menos, 20 minutos em dias intercalados. “Faça o teste de esforço para mapear o  funcionamento do seu corpo durante o exercício. Também  é  bom  checar  anemia, alterações da tireoide e fazer um ecodopplercardiograma”, sugere.

 

2.

Melhorar a qualidade do sono

Quando a agenda fica apertada, as horas de sono são as primeiras a serem sacrificadas. Só que isso  tem consequências sérias. “Nosso desempenho físico e mental está diretamente ligado a uma boa noite de sono. O efeito de uma madrugada em claro é semelhante ao de uma embriaguez leve: a coordenação motora é prejudicada e a capacidade de raciocínio, comprometida”, explica a personal do sono Silmara Bueno. Foi justamente isso que a designer Sabine Araújo percebeu quando passou a dormir melhor. “Sempre sofri bastante com insônia. Às vezes até desistia de dormir e ligava o computador para trabalhar. Durante o dia, vivia cansada e sonolenta.”

Ela procurou terapia e começou a fazer 45 minutos de ioga por dia. Como a prática relaxa e dá tranquilidade, o sono de Sabine melhorou. “Hoje, levo no máximo 20 minutos para dormir e até meu rosto é menos contraído. No trabalho, consigo me concentrar por muito mais tempo. Também tenho mais energia para caminhadas e para sair com amigos”, diz. Além da ioga, existem várias medidas que colaboram para dormir bem. “A melhor posição é de lado, de preferência com um travesseiro grande de corpo com um lado mais firme que possa ser abraçado com braços e pernas”, diz Bueno. Ela também indica ter horários regulares, não dormir com a TV ligada, deixar o ambiente escuro e tomar um banho quente ou morno antes de deitar-se para relaxar.

 

3.

Comer melhor

Ter uma alimentação saudável é diferente de fazer dieta e não precisa ser algo restritivo. Ainda assim,  favorece a perda de peso porque seu organismo passa a funcionar direitinho. O principal é manter uma rotina saudável durante a semana. Uma forma de começar é fazer substituições, como batata-doce assada em vez da frita e produtos naturais no lugar dos industrializados.

Com esses cuidados, é possível evitar a situação do empresário Adão Passos de Souza. Por conta do excesso de trabalho, ele se alimentava mal no expediente e, ao sair, comia pratos como churrasco com muita gordura, torresmo e buchada. “Nunca dei bola para as recomendações médicas. No passado, tive  pancreatite. A dor é quase  insuportável. Tive de mudar  totalmente meus hábitos, abandonar a gordura e comer frutas, verduras e legumes. Às vezes dá fome, mas  aquela  é  uma  dor  que  não desejo para ninguém”, diz.

 

4.

Parar de levar trabalho pra casa

Desligar-se do trabalho é um dos grandes desafios de hoje. “Quando você percebe que o serviço está invadindo seus sonhos e o fim de semana, é bom ficar de olho”, diz Kalil Duailibi, presidente do Departamento de Psiquiatria da Associação Paulista de Medicina. Isso porque o estresse de baixa intensidade, aquele que parece tolerável, pode causar danos ao cérebro se for crônico, ou seja, durar mais que três meses. “Ele faz com que os neurônios diminuam as ramificações e atrofiem. Isso causa alterações cognitivas, como dificuldade de concentração, memorização e a tomada de decisões, além de aumentar os riscos de diabetes tipo 2 e hipertensão no futuro.” A pancreatite do Adão Passos, que gostava de churrasco, também foi consequência do excesso de serviço. “Trabalhava cerca de 13 horas por dia de domingo a domingo e minha esposa ficava muito brava com isso. Nessa fase, eu me irritava facilmente e não tinha paciência. A doença me obrigou a diminuir o ritmo e hoje meu humor é melhor, assim como meu relacionamento com a família. No tempo vago, cuido do meu sítio, planto árvores e verduras.”

 

5.

Respirar fundo

Parece pouco importante, mas a respiração profunda tem um efeito calmante comprovado pela ciência. Respirar utilizando todos os músculos do tórax favorece a oxigenação do sangue e melhora todos os processos metabólicos do organismo. Já respirar profundamente acalma porque o aumento da oxigenação acima do necessário leva a um estado de torpor ou leve tontura. Na meditação, respirar ajuda a dar foco e tirar a mente dos problemas.

Conheça a elastografia

Exame é capaz de avaliar a rigidez dos órgãos avaliados com mais exatidão e segurança.

delboni_blog

Há muitos anos, os médicos têm usado a palpação manual para avaliar a rigidez dos tecidos, fazer a triagem dos pacientes e o diagnóstico de inúmeras doenças. Hoje em dia, porém, existe uma técnica complementar ao diagnóstico, capaz de medir a rigidez e a viscosidade dos tecidos moles. Trata-se da elastografia, indicada, principalmente, para avaliar a rigidez do fígado.

“Em outras palavras, é uma forma de ‘palpação virtual’, que permite avaliar as propriedades mecânicas do tecido, quantitativamente. É um método recente, cuja aplicação clínica se consolidou nos últimos dez anos. Nosso equipamento de ressonância magnética, GE Optima 450, é um dos primeiros no Brasil habilitados a realizar o exame”, explica o Dr. Guilherme Moura da Cunha, nosso médico radiologista que integra nosso corpo clínico.

 

MÚLTIPLOS BENEFÍCIOS

A principal vantagem dessa técnica é oferecer um diagnóstico e uma avaliação do problema de maneira simples, e não invasiva. “Até um passado recente, pacientes portadores de doenças hepáticas crônicas precisavam ser submetidos a biópsias para diagnóstico e acompanhamento. Isso representava um risco aos indivíduos, tendo em vista que a biópsia hepática é um procedimento invasivo, porque os pacientes são mais propensos a complicações, como sangramentos e infecções. Essa técnica é uma vantagem para o médico assistente, que pode avaliar seu paciente de forma periódica, durante um tratamento, sem oferecer nenhum risco ao indivíduo”, conclui o Dr. Cunha.

 

infogr_elastografia

 

Ressonância magnética sem desconforto

O exame de ressonância magnética é envolto por uma nuvem de mitos. Buscamos as respostas sobre eles.

delboni_blog

Um dos exames mais importantes para auxiliar no diagnóstico, que desponta como uma das tecnologias mais avançadas, pode gerar episódios de ansiedade pela necessidade de permanecer em um ambiente estreito, submetido a altos ruídos que o equipamento emite para adquirir as imagens.

Uma boa conversa com o médico para tirar dúvidas ajuda a esclarecer como será o procedimento. Esse primeiro passo já pode diminuir o nervosismo, mas buscamos respostas para acabar com os mitos e facilitar o momento do exame.

 

1. Você pode se comunicar com o técnico

Durante todo o exame, a equipe (médico, enfermeiros e técnicos de radiologia) pode ser chamada. Outro ponto importante é que, na maioria dos casos, é possível ter um acompanhante na sala de exame.

2. O ambiente influencia no bem-estar

Tudo muda quando você está em um laboratório que cuida do seu bem-estar. Um ambiente calmo e acolhedor faz toda a diferença e ajuda a manter a calma.

3. O exame não precisa ser desconfortável

É unânime a ideia de que não é agradável permanecer imóvel durante o exame, mas existem posições que tornam o momento menos incômodo. Apoiar o queixo em um travesseiro é uma delas. Nessa posição, o paciente é capaz de visualizar a abertura do aparelho, o que ajuda a aliviar o sentimento de “estar trancado”.

4. É possível controlar o pânico

Além de relaxar e trabalhar o controle da respiração, o exame de algumas partes do corpo permite que se coloque primeiro os pés no aparelho, em vez da cabeça. Ver o lado de fora sempre ajuda a controlar a ansiedade.

5. Há opções abertas

Existem aparelhos de ressonância de campo aberto, sem as laterais, porém eles não podem ser utilizados em qualquer indicação. Outras opções são os aparelhos semiabertos, que possuem um tubo mais largo, de 70 centímetros, e mais curto. Ele já ajuda bastante a diminuir a sensação de claustrofobia.

6. A sedação nem sempre é necessária

Apenas em alguns casos é necessária a sedação. Claustrofobia extrema ou exames em bebês são indicações. A escolha deve ser feita em conjunto com o médico e requer a presença de um anestesista durante todo o tempo.

 

 

7 alimentos superpoderosos para a saúde (parte 2)

Saiba como o consumo regular de alho, maçã, uva e fibras ajudam a turbinar sua saúde.

Delboni_blog

Proteger o corpo de doenças, levando uma vida mais saudável pode ser uma experiência saborosa. Na última semana, você conheceu como o “suco verde”, o molho de tomate e a soja ajudam a fortalecer o organismo. Nesta segunda parte do nosso especial sobre alimentos funcionais, saiba como o consumo regular de alho, maçã, uva e fibras também podem ajudar a turbinar sua saúde.

 

4

 

Aqui, o sistema imunológico é o grande favorecido. “O alho é um antibiótico natural, capaz de controlar fungos e bactérias. Em crises agudas, os medicamentos são indispensáveis. Porém, quem sofre de infecções recorrentes, como a candidíase de repetição, pode se beneficiar do efeito bactericida do alho”, afirma Dr. Roberto Navarro. Mas como a alicina, seu “milagroso” princípio ativo, se perde no cozimento, a questão é como consumir o alho cru. Algumas dicas são: preparar caldos que levam o ingrediente in natura (como molho pesto ou gaspacho), acrescentar lâminas finas de alho à salada ou cortá-lo ao meio e engoli-lo com água, sem mastigar, como se fosse um comprimido. O nutrólogo recomenda a ingestão de dois dentes de alho por dia.

 

5

 

O ditado em inglês (que diz que uma maçã por dia evita visitas ao médico) talvez se deva à pectina, encontrada na casca da fruta. O Dr. Roberto Navarro indica a maçã como coadjuvante em tratamentos de controle do colesterol e adverte: “É importante comer com a casca”. O Dr. Fernando Chueri aponta os benefícios da maçã em casos de constipação intestinal: “São necessários 30 gramas de fibra por dia para garantir um bom funcionamento desse órgão, que corresponderiam a cerca de dez maçãs. Mas podemos, claro, variar as fontes diárias de fibra, comento também cerais integrais, linhaça, alcachofra e outras frutas, como pera e mamão”.

 

6

 

Os polífenóis presentes na uva ajudam a evitar o câncer (pelo seu efeito antioxidante) e doenças cardiovasculares. Neste último caso, quando há comprometimento de vasos e artérias, a fruta vai além da prevenção: “O consumo diário de 150 ml de vinho ou suco de uva integral por pacientes com colesterol aumentado é um auxílio ao tratamento”, diz o nutrólogo Dr. Fernando Chueri. O Dr. Roberto Navarro emenda e conclui: “A nutrologia concorda que uma dieta rica em antioxidantes tem efeito protetor do coração. Os antioxidantes são encontrados em pigmentos de vegetais: todos os que têm cores fortes são potentes antioxidantes”.

 

7

 

As fibras presentes em abundância na aveia já seriam motivo suficiente para recomendar a ingestão diária de meia xícara do cereal a quem deseja prolongar a sensação de saciedade e regular o trânsito intestinal (o que inclui um grande número de mulheres!). Diabéticos também podem se beneficiar do ingrediente, já que, na presença de fibras, a glicose no sangue é absorvida de maneira gradual, evitando picos de insulina. Mas a prescrição alimentar vai além: “A aveia é fonte de betaglucana, que ajuda no controle do colesterol e na diminuição de risco de câncer no intestino”, atesta o Dr. Roberto Navarro.

 

7 alimentos superpoderosos para a saúde (parte 1)

O nutrólogo Dr. Roberto Navarro explica os segredos por trás do consumo regular da soja, do “suco verde” e do molho de tomate.

delboni_blog

Como consequência do próprio metabolismo, o corpo humano produz alguns “lixos”, como a homociesteína, que aumenta o risco de doenças cardiovasculares e de demência. A sorte, como explica o clínico geral e nutrólogo Dr. Roberto Navarro, é que uma dieta rica em ácido fólico ajuda a controlar os efeitos desse aminoácido.

Da mesma forma que o ácido fólico é encontrado na soja, outras substâncias aliadas da saúde – seja na prevenção de doenças crônicas, seja no auxílio ao tratamento medicamentoso – também se põem à mesa.

Nas próximas semanas, você conhecerá sete alimentos capazes de trazer incríveis benefícios para o seu corpo. Confira os primeiros três da lista:

1

Aqui está o segredo de um bom suco verde: os vegetais-escuros têm nutrientes, como os compostos sulfidrílicos, que auxiliam na detoxicação hepática – ou seja, ajudam a proteger o fígado das toxinas que circulam no sangue. Além disso, alimentos como brócolis, a couve e o espinafre têm pouquíssimas calorias e são fontes de ferro e fibras. O Dr. Roberto Navarro lembra, ainda, que essas folhas de cor tão chamativa “contêm ácido fólico e luteína, um antioxidante que protege os olhos e diminui o risco de degeneração da mácula [área ocular propensa, em idade avançada, a ser afetada”.

2

O licopeno presente no tomate – e também no morango e na melancia – tem ação antioxidante, que ajuda a diminuir a produção de radicais livres. Por conta dessa substância, o também nutrólogo Dr. Fernando Bahdur Chueire afirma: “O tomate é recomendado na prevenção, mas quando se fala em alguns tipos de câncer, como o de próstata, o alimento deve ser consumido diariamente, inclusive como aliado no tratamento”. Durante o preparo, é fundamental cozinhar o tomate e adicionar uma gordura monoinsaturada, como azeite. “O licopeno é extraído do tomate e fica retido no óleo. Por isso, os molhos, em especial os caseiros, concentram mais licopeno que a fruta em si”, conclui o Dr. Roberto Navarro.

3

Um aclamado alimento funcional (aquele que traz benefícios à saúde quando consumido com frequência), a soja é uma leguminosa que está por toda parte: em grãos, na forma de leite, queijo, extratos, hambúrgueres – mas quanto a isso, o Dr. Fernando Chueri é categórico: “Atenção à ficha nutricional dos derivados industrializados. É preciso saber quanto de soja há realmente no produto. O melhor mesmo é consumir o grão, cerca de 25 gramas por dia”. A diminuição do risco de doenças cardiovasculares é o principal beneficio de uma dieta rica em soja. Mas a colina, vitamina presente no ingrediente, também atua na memória e cognição, ajudando a preservar as funções cerebrais.

Não perca na próxima semana a continuação desse especial sobre saúde e alimentação.

 

Um Delboni melhor a cada dia

Com novo corpo clínico, modernização do parque tecnológico e das unidades de atendimento, o laboratório investe em benefícios para atender bem.

delboni_blog

Os clientes que passam pelos laboratórios Delboni têm encontrado diversas melhorias em suas mais de 30 unidades espalhadas pela Grande São Paulo e região metropolitana. Além de um novo corpo clínico e investimento em modernização do parque tecnológico, a marca tem foco na reforma e inovação das unidades.

“Atualizamos os equipamentos das unidades e apostamos em especialidades como ressonância magnética, tomografia, mamografia digital e medicina nuclear. São mais de cem novos equipamentos de diagnóstico por imagem, o que nos garante a posição de laboratório mais atualizado de São Paulo”, comenta Silvia Tissi, gerente de atendimento.

Os recém-adquiridos equipamentos de última geração, os novos médicos do renomado corpo clínico no Brasil e no exterior, somados às megaunidades, em que é possível realizar exames laboratoriais e de imagem, garantindo economia de tempo, completam o ciclo de mudanças para o seu bem-estar.

O Delboni conquistou certificações internacionais que apenas 1% dos laboratórios possuem. Isto garante mais precisão no diagnóstico final. “Além disso, os colaboradores passam por um programa de excelência, que padroniza todos os detalhes do atendimento”, completa Ricardo Padilha, também gerente de atendimento.

 delboni_retrofit

MAIS BENEFÍCIOS

Para Flávia Pascoal Cintra, nossa gerente de marcas, as recentes mudanças reforçam os valores que se deseja refletir na marca. “Tranquilidade é a palavra-chave do Delboni. Queremos oferecer cada vez mais conforto e bem-estar a todos os clientes. Por isso, além de investir na modernização dos equipamentos, remodelamos o layout e o fluxo das unidades, visando mais conforto e agilidade no atendimento.”

Atendimento diferenciado, ambiente agradável, competência, conveniência e a confiança nos profissionais e nos resultados são os atributos que reforçam os pilares do Delboni.

Doença celíaca

Cresce diagnóstico da doença em adultos.

A população brasileira tem cerca de 1% de portadores da doença celíaca, também chamada de intolerância ao glúten, proteína presente no trigo, na cevada, na aveia e no centeio. Entre os mais atingidos estão as mulheres e o diagnóstico da doença em adultos vem crescendo nos últimos anos.

Segundo um estudo realizado pela Associação dos Celíacos do Brasil, com cerca de 500 associados, em 28,7% dos participantes os exames confirmaram a doença, sendo a maioria do sexo feminino – proporção de 2 mulheres para 1 homem. A idade média do diagnóstico foi a faixa dos 16 anos para o sexo masculino e 26,7 para o sexo feminino. Estes resultados apontam para uma tendência de diagnóstico da doença celíaca em idades mais avançadas, especialmente entre as mulheres, e sugerem a necessidade de mais esclarecimentos para o público e classe médica quanto ao seu correto diagnóstico e .

Ao ingerir um alimento com glúten, o celíaco desenvolve uma reação imunológica no intestino delgado que causa a destruição das vilosidades da mucosa, dobras responsáveis pela absorção de nutrientes, vitaminas, sais minerais e água. Os sintomas da doença celíaca são diarreia crônica acompanhada de distensão abdominal, perda de peso, alteração do humor e anemia. A doença nem sempre é facilmente diagnosticada, já que os sintomas podem aparecer de forma branda ou agressiva e, por se tratarem de reações comuns a outras doenças.

A retirada dessa proteína da dieta pode melhorar o quadro e/ou contribuir para o desaparecimento dos sintomas. O consumo de alimentos que contenham glúten por paciente que ainda não foi diagnosticado com a doença celíaca pode desencadear um processo inflamatório. Por isso, os sintomas não podem ser desprezados.

Como o diagnóstico nos casos com poucos sintomas é considerado difícil, a investigação da doença deve ser criteriosa. É preciso se submeter a exames precisos para que haja comprovação suficiente. Entre os métodos de diagnóstico, estão a sorologia para antitransglutaminase IgA, anticorpo antiendomísio IgA e anticorpo antigliadina, além de biópsia do intestino.

Desacelere!

Conheça os sinais do seu corpo que indicam que está na hora de diminuir o ritmo

Corte06

Para quem vive em uma cidade como São Paulo, estresse é uma palavra que não só faz parte do vocabulário, como pertence ao cotidiano.

O estresse já é considerado um dos principais gatilhos emocionais responsáveis por doenças físicas e, em 2008, chegou a ser considerado uma epidemia global pela Organização Mundial da Saúde.

Até certo ponto ele faz bem, pois nos deixa mais alertas e com mais energia para completar a rotina. O difícil é notar quando você passa do ponto e precisa desacelerar para não causar prejuízos à saúde.

Nessa hora, alguns sinais do corpo podem te ajudar entender que é hora de desacelerar e se acalmar um pouco. Confira abaixo os principais deles:

– Tremores leves nas mãos e nos lábios
– Dores de estômago
– Ataques súbitos de pânico
– Desejo sexual diminuído
– Mudanças de humor radicais
– Insônia ou sono inquieto
– Suor frequente
– Gripes e resfriados
– Crises recorrentes de alergia

Se você notar algum desses sintomas, significa que chegou a hora de parar, respirar e repensar a sua rotina. Às vezes, mudanças simples como ser mais rigoroso com o tempo de sono, ou inserir atividades que deem prazer no seu dia a dia podem fazer uma grande diferença.

Você sabe quais vacinas as crianças devem tomar nos primeiros anos de vida?

Confira nossa tabela cronograma e fique por dentro de tudo que você deve fazer para garantir a saúde do seu filho

Corte06

Os primeiros dois anos de vida das crianças são fundamentais para a sua imunização. No decorrer deles, elas deverão tomar algo em torno de 14 vacinas, todas fundamentais para a manutenção de uma vida saudável.

Na tabela abaixo, você encontra um cronograma de vacinação e, em seguida, uma explicação mais detalhada sobre as principais vacinas.

Para mais informações a respeito de vacinação em todas as idades, acesse o portal Delboni Vacinas: www.delbonivacinas.com.br

BCG – Dose Única – Primeiras 72 horas de vida

Vacina indicada para proteção de formas graves de Tuberculose (Meningite Tuberculosa e Tuberculose Miliar). Ela contém bactérias vivas enfraquecidas e deve ser aplicada no braço direito da criança. Após a aplicação há uma reação no local que cicatriza entre 6 a 10 semanas.

Hepatite B – 3 Doses – Primeiros 6 meses de vida

Vacina indicada para a prevenção da infecção do vírus B da Hepatite. É produzida a partir de técnicas de engenharia genética com a utilização do próprio vírus causador da doença. A vacina é administrada em 3 doses, recebidas da seguinte forma: 1ª dose – primeiras horas após o nascimento; 2ª dose – entre 1 e 2 meses de idade; 3ª dose – aos 6 meses de idade.

Tríplice Bacteriana – 3 Doses – Primeiros 6 meses de vida

A vacina Tríplice Bacteriana (DTP) é indicada para a prevenção da Difteria, do Tétano e da Coqueluche. Existem dois tipos de vacinas: uma chamada de células inteiras, de utilização mais frequente na rede publica de saúde, e outra chamada de acelular (mais purificada), utilizada na rede privada de saúde. A principal diferença entre ambas é que a vacina acelular tem menor probabilidade de causar reações adversas graves quando comparada com a vacina de células inteiras.

Esta vacina está indicada para crianças aos 2, 4 e 6 meses de idade com reforços entre 15 e 18 meses e entre 4 a 6 anos de idade. A partir deste último reforço, estão indicadas novas doses a cada 10 anos, durante toda a vida.

Hemófilos Tipo B – 3 Doses – Primeiros 6 meses de vida

A principal indicação desta vacina é a prevenção da meningite causada pelo Hib. É produzida a partir de bactérias inativadas (mortas) e é indicada para crianças aos 2, 4 e 6 meses de idade. Recomenda-se tomar o reforço quando o bebê estiver entre 15 e 18 meses – a rede pública não oferece esta dose de reforço, apenas as clínicas particulares.

Poliomelite – 3 Doses – Primeiros 6 meses de vida

A vacina indicada para a prevenção da Poliomielite (paralisia infantil) é aplicada de duas formas diferentes: por via oral e injetável. Ambas são indicadas para administração aos 2, 4 e 6 meses de vida, com reforços dos 15 aos 18 meses e entre 4 a 6 anos de idade.

Pneumocócica Conjudada – 3 Doses – Primeiros 6 meses de vida

As vacinas pneumocócicas são indicadas para a prevenção das infecções como pneumonia e meningite. Elas são produzidas a partir de bactérias mortas e diferem quanto ao modo de produção. Na rede privada, costuma-se aplicar a vacina conjugada “13 valente” que possui em sua composição 13 tipos de pneumococos e tem como característica produzir uma proteção de longa duração.

Meningocócicas – 2 Doses – Primeiros 5 meses de vida

As vacinas meningocócicas são indicadas para a prevenção das infecções causadas pelos meningococos (bactérias) – particularmente a meningite meningocócica. No Brasil, existem dois tipos de vacina disponíveis a Meningogócica do Grupo C Conjugada e a Tetravalente Conjugada. Cada uma possui características específicas de composição e aplicação.

Febre Amarela – Dose Única – 9 meses

A vacina que previne a Febre Amarela é produzida a partir dos vírus causadores da doença, mas que são atenuados (enfraquecidos) para que não causem a doença. Ela é indicada a partir dos 9 meses de idade para moradores ou pessoas que visitam áreas de risco. Um reforço deve ser tomado a cada 10 anos.

Não existe nada como almoçar a comida da nossa casa

Levar comida é um hábito saudável, mas exige alguns cuidados especiais

Não existe nada como almoçar a comida da nossa casa

Levar o alimento de casa para o trabalho, além de econômico, é um hábito extremamente saudável, na medida em que permite que você tenha total controle sobre a sua alimentação, fazendo sempre refeições saudáveis e equilibradas.

Entretanto, os adeptos da comida feita em casa precisam tomar alguns cuidados para evitar intoxicações alimentares ou a perda de nutrientes durante o transporte e armazenamento de suas refeições.

1. Antes de de por os alimentos em um recipiente, coloque-os em um prato. Isso ajuda a calcular melhor a quantidade e as proporções entre vegetais, carboidratos e proteínas.

2. Evite alimentos fritos ou com molho. Eles possuem uma tendência maior de estragar e podem acabar contaminando os outros alimentos da sua refeição.

3. Prefira recipientes de vidro. Os tradicionais de metal podem alterar o sabor e a composição dos alimentos e os de plástico, ao serem colocados no microondas, tendem a liberar substâncias nocivas para a sua saúde. Os de vidro podem ir ao microondas sem problemas e são bem mais fáceis de higienizar.

4. Não coloque alimentos quentes no recipiente em que irá trasportá-los. Eles liberam vapor que umedece o recipiente e pode fazer com que os alimentos azedem.

5. Separe a salada dos outros alimentos. Isso evita que ela fique murcha e ajuda a conservar as suas propriedades nutricionais.

6. Invista em uma bolsa térmica, principalmente se a distância entre a sua casa e o trabalho for grande. Ela ajuda a conservar a qualidade e o frescor dos alimentos!