Dicas para reduzir o stress no trânsito

É possível passar menos nervoso dentro do carro

BlogDB01 (7)

O trânsito caótico é um problema que assola diversas cidades brasileiras e, dependendo do dia, fica realmente difícil manter a calma. O stress se eleva e o nervosismo sobra para todos os lados. Quem encara o trânsito vez ou outra, como para chegar ao litoral no feriado, não chega a sofrer tanto as consequências. O perigo está em quem enfrenta engarrafamentos a semana inteira, seja ao volante, seja sentado no ônibus.

Segundo o Departamento de Medicina de Tráfego Ocupacional na Associação Brasileira de Medicina do Tráfego (ABRAMET), de 13% a 17% dos motoristas brasileiros têm algum distúrbio comportamental no trânsito, e o stress é um fator que acaba desencadeando esses problemas.

Como driblar o pico de cortisol, o hormônio do stress?

– Respire fundo: a dica parece um clichê, mas funciona de verdade. Ao puxar o ar para os nossos pulmões e exalar vagarosamente, o oxigênio chega a todos os tecidos do corpo, incluindo o cérebro. Os neurônios se equilibram e as funções do organismo ficam mais reguladas.

– Faça alongamentos: ficar muito tempo parado na mesma posição faz mal não só para o sistema circulatório, mas também para a elevação do stress emocional. Procure se esticar, na medida do possível, e garanta a produção de endorfina, um analgésico natural que afasta o cansaço.

– Procure rotas alternativas: se todo dia você pega a mesma rua e todo dia ela está parada, talvez seja uma boa ideia trocar de caminho ou de itinerário de ônibus. Se o truque não adiantar e você acabar parando em outro ponto do caminho, pelo menos você poderá se distrair olhando a paisagem nova, identificando sons, pessoas e lojas diferentes da rotina.

– Feche os vidros: quando o stress começa a aparecer, tudo parece irritar, não é? Fumaça, vibração, ruídos, buzinas, variações de temperatura… Se você está de carro, isole-se do mundo exterior, ligue o ar-condicionado e procure fazer a sua mente pensar em outra coisa.

– Cante como se ninguém estivesse ouvindo: uma boa dica para complementar a sugestão acima é escolher uma música que você goste de cantar. Os vidros estão fechados mesmo, pode soltar a voz – isto vai fazer a mente se esquecer dos problemas e o corpo vai relaxar. Arrisque uma coreografia sentado, por que não? E quem anda de ônibus pode fazer o mesmo, mas com fones de ouvido e sem cantar alto. Uma pesquisa feita pelo Departamento de Psicologia da Universidade de Londres indicou que o fone de ouvido altera nossos limites de espaço pessoal e torna mais tolerável a proximidade entre as pessoas nos transportes lotados.

– Procure uma boa companhia: sim, antes só do que mal acompanhado, mas se a companhia for boa, ela tem tudo para facilitar o trajeto. Além de poder conversar e se distrair, a presença de um amigo ajuda a diminuir o nervosismo de ser assaltado (ou assediado, no caso das mulheres). A insegurança também é um dos fatores do stress no trânsito e a maioria dos casos acontece com pessoas sozinhas.

– Alivie o stress muscular: uma boa sugestão é desengatar o carro sempre que possível. A perna esquerda fica em uma posição desconfortável e antiergonômica na embreagem, flexionando os músculos e comprometendo a articulação do tornozelo, joelho e da coxa com o quadril, além de prejudicar a lombar. Além disto, o estado de tensão muscular ajuda a aumentar a irritabilidade, pois há um maior desgaste físico e demanda de oxigênio, o que leva à fadiga muscular.

Tags:, ,