Dra. Michele Migliavacca explica como funciona a cirurgia de extração dos ovários e trompas realizada pela atriz Angelina Jolie e como é feito o exame genético que detecta possíveis complicações

O exame genético realizado pela atriz pode detectar precocemente algumas doenças genéticas.

shutterstock_180321404

O teste genético para mapeamento dos genes BRCA1 e BRCA2, realizado por Angelina Jolie, já existe no Brasil há quase dez anos. Porém o exame não é recomendado para todos; a indicação varia de acordo com o histórico familiar de cada paciente e com avaliação do médico. Apenas 10% dos cânceres são hereditários e apenas nestes casos se faz necessário o acompanhamento e a realização do teste.

 

A cirurgia para a retirada de ovários e das Trompas de Falópio é relativamente simples, mas há consequências importantes: os ovários são responsáveis pela produção dos hormônios estrogênio e progesterona, e a falta deles pode antecipar a chegada da menopausa.

 

Pensando nas dúvidas que surgiram em torno dessa polêmica, a Dra. Michele Migliavacca esclareceu alguns pontos. Confira:
Esse tipo de cirurgia é recomendado? 

A cirurgia profilática, ou seja, quando é realizada como prevenção e não como tratamento, pode ser indicada nos casos que seja comprovado um maior risco para câncer de ovário, um dos exemplos é uma mutação no gene BRCA2. O médico pode recomendar, mas a tomada de decisão é realizada exclusivamente pela paciente.
Quais os efeitos colaterais da retirada dos ovários e trompas?

A ooferectomia profilática, nome técnico do procedimento para retirada dos ovários, leva à menopausa cirúrgica. Na menopausa natural, os níveis hormonais sofrem um decréscimo gradual em contraste; na cirúrgica, ocorre uma queda abrupta que normalmente resulta em sintomas mais exacerbados da menopausa, como diminuição da libido, instabilidade vasomotora, maior risco para osteoporose e doenças cardiovasculares.
Quem deve realizar esse exame que detectou o gene com risco de desenvolver câncer, realizado pela Angelina Jolie?

O sequenciamento dos genes BRCA1 e BRCA2 só deve ser realizado por pacientes que preencham os critérios clínicos para a Síndrome de Mama e Ovário Hereditário.

 

Pessoas com familiares de primeiro grau que apresentaram câncer de mama ou ovário em idade jovem e homens com câncer de mama são pessoas que podem ter um risco aumentado para mutações neste gene. Estes pacientes devem passar por uma avaliação com o oncogeneticista que fará uma análise da história familiar e do paciente e indicará ou não a realização do teste. Este teste deve ser acompanhado por um aconselhamento pré e pós-teste.

 

É realmente possível evitar esse tipo de câncer?

O câncer de ovário é bem difícil de ser diagnosticado, passando despercebido muitas vezes nos exames de imagem, como ultrassom pélvico. Para a população geral, a regra para prevenção é simples: realizar acompanhamento médico de rotina e manter hábitos de vida saudáveis.

O relato da atriz no artigo “o diário de uma cirurgia” diz que ela está cumprindo a promessa que fez há dois anos, quando retirou os seios em uma dupla mastectomia: deixar as mulheres informadas sobre seus próximos passos na prevenção ao câncer.

 

Para mais informações sobre o exame entre em contato com a nossa central de atendimento através dos telefones São Paulo: (11) 3049-6999 | Santos: (13) 4004-6999

 

Tags:, , , , , , ,